Prefeitura do Rio prevê vacinar 100 mil idosos entre 80 e 82 anos

A imunização está suspensa desde a última quarta-feira

 

Por Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

A Prefeitura do Rio de Janeiro estima vacinar mais de 100 mil idosos entre 80 e 82 anos com a primeira dose quando o calendário de vacinação contra covid-19 for retomado. A imunização na capital fluminense foi suspensa na quarta-feira (17) por falta de vacinas.

Nos próximos dias, com a confirmação do número de novas doses a serem encaminhadas pelo Ministério da Saúde, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio informou que irá divulgar o novo cronograma de vacinação.

Das novas doses liberadas na sexta-feira (19) pela Secretaria de Estado de Saúde, o município recebeu 8,6 mil, que serão usadas na continuação da vacinação dos idosos acamados, atendidos em domicílio.

A Secretaria municipal reforçou que a segunda dose está garantida para todos que receberam primeira.

Segunda dose

A Secretaria estadual conclui hoje (22) a distribuição de uma nova remessa de 173,5 mil segundas doses da vacina CoronaVac para os 92 municípios do estado. Também serão entregues outras 20 mil doses, sendo 10 mil para primeira aplicação e 10 mil para segunda, que estavam armazenadas na Coordenadoria Geral de Armazenamento, em Niterói, como reserva técnica para casos de reposição.

A pasta informou que não foi notificada oficialmente pelo Ministério da Saúde sobre mudanças na recomendação de uso das doses da vacina CoronaVac. “Desta forma, por hora, a indicação para reservar a segunda dose do imunizante será mantida”, disse, em nota.

A Secretaria estadual acrescentou que também não há notificação oficial feita pelo Ministério da Saúde sobre data de recebimento de nova remessa de vacinas.

Novas variantes

Até o momento, foram confirmados cinco casos de pessoas no estado do Rio contaminadas com as novas variantes do coronavírus, sendo um com a mutação oriunda do Reino Unido (VOC 202012/01, linhagem B.1.1.7), e os outros quatro com a variante de Manaus (Variante P.1, linhagem B.1.1.28).

Entre esses cinco pacientes, quatro adquiriram a doença dentro do próprio estado do Rio, o que confirma que as cepas já estão circulando ao menos na capital, e, provavelmente, também nas cidades de Nova Friburgo e Nova Iguaçu. Apesar disso, a secretaria alerta aos demais municípios que é possível que a circulação seja mais ampla, devido à mobilidade de pessoas na região metropolitana.

 

Edição: Maria Claudia

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil