Apesar de tempestades, chuvas estão abaixo da média em São Paulo

Fernanda Cruz - Agência Brasil13.01.2015 - 11h46

 

 

 

As chuvas de verão que têm atingido São Paulo nos fins de tarde ocorrem em forma de pancadas isoladas, distantes do ideal para ajudar a elevar o nível dos mananciais, mostra o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Desde o início do ano, no Mirante de Santana, na zona norte, choveu 71 milímetros, sendo que a média histórica para o período é 130 milímetros.

 

 

 

 

Leia mais notícias:

 

Governo de SP adota sobretaxa para evitar caos no abastecimento de água

 

“As chuvas estão abaixo e, na maior parte do estado, muito irregulares. Algumas regiões estão tendo chuvas expressivas, em forma de tempestades. Essa é uma característica em relação ao ano passado, tem ocorrido temporais de fim de tarde”, esclarece o meteorologista do Inmet Marcelo Schneider.

 

No Sistema Guarapiranga, localizado na zona sul da capital paulista, a tempestade de ontem (12) foi significativa. A precipitação do dia chegou a 52 milímetros, o que ajudou a elevar o nível da represa de 39,2% para 39,8%. No mês, a pluviometria acumulada é 128,4 milímetros, volume dentro da média, já que o esperado para janeiro é 229,3 milímetros.

 

Com a falta de regularidade nas chuvas, porém, a precipitação na região do Sistema Cantareira, o principal no abastecimento de São Paulo, tem sido insuficiente. “Se for comparar, as últimas chuvas pegaram mais a região sul que a norte. No nordeste do estado e sul de Minas Gerais, onde fica o Cantareira, as chuvas estão abaixo do normal”, disse Schneider.

 

Apesar da tempestade que deixou ontem milhares de residências sem energia elétrica e fez com que dois córregos transbordassem na zona sul, não choveu no Cantareira. O nível desse manancial caiu de 6,5% para 6,4%. No acumulado, a precipitação está abaixo do esperado, pois choveu 49,2 milímetros desde o começo de janeiro e a média histórica chega a 271,1 milímetros.

 

Para que as chuvas ocorram de forma generalizada, é preciso que uma frente fria ou o canal de umidade da Amazônia chegue a São Paulo, explica o meteorologista do Inmet. A previsão é que, na próxima semana, a precipitação ganhe menos característica de temporais e fique mais consistente. “Não esfria, mas o calor será menos intenso e terá mais umidade”, disse.

 

No fim da tarde de hoje, um temporal deve atingir as regiões central e norte da capital paulista. No estado, a precipitação se concentra na região central. As tempestades deverão vir acompanhadas de granizo e rajadas de vento, alerta Schneider.