Governo do Distrito Federal inicia retirada de cercas na orla do Lago Paranoá

Agência Brasil                                                             24/08/15 12h45 

 

A Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis) iniciou hoje (24) a derrubada de cercas na orla do Lago Paranoá. A ação começou por volta das 8h na QL 12 do Lago Sul, área nobre de Brasília, e deve atingir pelo menos sete casas da região até o final do dia. As cercas estão sendo derrubadas para a liberação de área de 30 metros a contar da margem do Lago Paranoá. Homens da Polícia Civil, da Polícia Militar e do Instituto Brasília Ambiental (Ibram) acompanham o processo.

 

A desocupação foi determinada por uma sentença judicial de 2011, em resposta a uma ação civil pública do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios em 2005. Serão mantidos píeres, gazebos e quadras esportivas construídos pelos moradores na faixa de 30 metros, até a conclusão do plano de uso e de recuperação da área, que será feito pelo governo distrital. Não ocorrerão remoções em terrenos escriturados dentro da área de preservação permanente e lotes da União e de embaixadas. A previsão é que os 80 quilômetros da orla estejam livres em dois anos.

 

A primeira casa a passar pela ação foi a do contador Sérgio Ferreira, 25 anos. Ele e a família decidiram, por conta própria, dar início à retirada da cerca ontem (23). Com a liberação da área determinada pela Agefis, foram removidos um campo de areia e metade de um campo de futebol, além de uma rampa para o acesso direto de embarcações às águas do lago.

 

"A gente esperou até o último momento [para recuar as cercas], para ver se acontecia alguma coisa", disse. "Não há planejamento dessa área. Eles [governo do Distrito Federal] ainda não sabem o que vão fazer, como vão fazer e de onde vão tirar dinheiro para fazer", completou.

 

A arquiteta Sabrina Estrela, 38 anos, mora no Lago Sul, e compareceu ao local da ação para "prestar solidariedade" aos demais moradores. Ela reclamou que a área é alvo constante de assaltos e chamou a derrubada de cercas de "teatro".

 

"Minha casa ainda não está no cronograma, mas estou sendo solidária à essa palhaçada que está acontecendo aqui. Quero saber se o governador vai vir aqui cuidar da gente, colocar segurança", disse. "Se fizessem um parque legal, complayground, eu batia palmas, mas isso não vai acontecer."

 

Já o observador de aves Tancredo Maia, 68 anos, aprova a medida. Ele contou que, como usuário de áreas verdes e parques em Brasília, sente falta de um maior acesso ao Lago Paranoá.

 

"Desocupar a área é o mais importante. O que vem daí é consequência. Se tiver um parque projetado, será muito melhor. Se não tiver, não tem problema nenhum. A população se apropria desse espaço se tiver acesso a ela", disse.