Obra de nova torre de jurados de surfe em Santos está na reta final

 

Por Prefeitura Municipal de Santos 

Falta pouco para o Parque Municipal Roberto Mário Santini (emissário submarino), no José Menino, ganhar a nova torre de jurados de surfe. As obras de ampliação e reforma do equipamento, composto por andar térreo mais dois pavimentos, devem ser concluídas até final de junho, melhorando as condições de avaliação dos árbitros nas competições da modalidade.

Neste momento são instalados os pisos cerâmicos internos da torre pela Construtora Interiorana, sob supervisão da Secretaria de Infraestrutura e Edificações (Siedi). Equipes também substituem os guarda-corpos em inox do entorno do mirante, já que os antigos apresentaram problemas de corrosão, e fazem ajustes finais para instalação do elevador.

Na segunda-feira (20), foram ligadas as novas bombas das seis caixas d'água da torre, com capacidade para 3 mil litros cada - a antiga tinha capacidade para 15 mil litros -, instaladas em reservatório construído no local. A sala dos árbitros, projetada para a frente do segundo andar em estrutura metálica, também será fechada com caixilhos e vidro.

O projeto inclui instalação de luminárias em LED. O piso térreo contará com rampa de acesso com guarda-corpos em inox e banheiro reformado para pessoas com deficiência. Além disso, já foi feita recuperação de 400 m² do deck em prolongamento da arquibancada para 660 pessoas. No último andar da torre, também já foi construído um banheiro. Os investimentos são de R$ 1,10 milhão, com recursos do Dadetur.

 

Museu do Surf  

Também no emissário é finalizada a instalação das vigas e pilares metálicos do novo Museu do Surf, para posterior fechamento com alvenaria. Nesta terça (21), será iniciada a parte de alvenaria, solda e pintura das estruturas a cargo da empresa RJC, sob gerenciamento da Siedi.

O edifício está sendo construído no mesmo local do antigo, que foi demolido. O projeto é assinado pelo arquiteto Ruy Ohtake, que concebeu o Parque, inaugurado em 2009. O Museu terá um pavimento e 450m² de área construída. Mais moderno e acessível, contará com vidros temperados nas portas e fechamentos, além de área reurbanizada ao seu redor.

Terá salão para exposição, auditório, sala Picuruta Salazar, sala Cisco Araña, sala Osmar Gonçalves, salas de arquivo, depósito, copa e sanitários para pessoas com deficiência. Haverá ainda conjunto de climatização e acessibilidade garantida por meio de piso tátil de alerta e placas informativas em sistema braile. O custo é de R$ 1,39 milhão, também proveniente do Dadetur. A estimativa é de que a obra seja concluída em janeiro de 2020.

Foto: Francisco Arrais