Representantes do Fundo Social paulista visitam Cubatão e planejam Praça da Cidadania para o município

 

Contato inicial foi feito com o prefeito municipal nesta quarta-feira (10)

 

Por Prefeitura Municipal de Cubatão 

Trazer para Cubatão o Programa Praça da Cidadania, que o Governo de São Paulo iniciou neste ano na Capital, foi a proposta apresentada nesta quarta-feira (10) ao prefeito Ademário Oliveira pela equipe do Fundo Social de São Paulo. O encontro ocorreu em dependências do Fundo Social de Solidariedade de Cubatão, no Parque Novo Anilinas, e será seguido por novos entendimentos nas próximas semanas, durante novas visitas a Cubatão.

Além do presidente do Fundo Social do Estado, Filipe Sabará, participaram do encontro o diretor executivo daquela entidade estadual, José Castro; o coordenador de Interior e Litoral deste Fundo Social, Eduardo Coimbra Pirajá Martins Filho; e a técnica Elizabeth Falcão, que atende todos os municípios das áreas administrativas de Santos e Registro.

A equipe estadual está percorrendo os principais municípios paulistas para conhecer as necessidades de cada cidade e verificar as formas de adequar os recursos de atendimento estaduais para o atendimento a essas necessidades.

Para o prefeito Ademário da Silva Oliveira, a proposta apresentada vem ao encontro dos interesses da comunidade cubatense, justamente por permitir ao mesmo tempo a capacitação das pessoas interessadas em se tornarem empreendedoras e criar condições para que elas iniciem seus próprios negócios.

Praça – Em fins de março, foi iniciada em Capão Redondo, zona Sul da capital, a construção da primeira Praça da Cidadania do Estado. Uma segunda praça começou a ser implantada no Jardim Santo André, em Santo André, na região do ABC. Esse programa prevê espaços ecológicos, de capacitação profissional e geração de empregos, dentro de comunidades vulneráveis em todo o Estado. Nesses espaços, são construídas escolas de capacitação e espaços de empreendedorismo, como destacou Filipe Sabará.

Ele explicou que tais espaços são inseridos na própria comunidade, identificados, construídos e administrados em parceria com a comunidade local, promovendo convívio, autonomia e renda: “É um projeto participativo destinado para a capacitação e o fomento do empreendedorismo local, que levará a comunidade a um novo padrão de qualidade de vida, geração de autonomia e renda e regeneração ambiental”.

O programa ora apresentado se insere na nova dinâmica do Fundo Social paulista, que deixou de ser assistencialista e definiu como objetivo fomentar autonomia e renda. Assim, as ações vêm sendo reestruturadas e adequadas a um modelo novo, mais eficaz e alinhado com as demandas do mercado de trabalho.

 

Texto: Carlos Pimentel Mendes – MTb. 12.283-SP