Festival do Imigrante leva 15 mil pessoas ao Centro Histórico de Santos

 

Por Prefeitura Municipal de Santos 

Um centro histórico e cada vez mais festivo. O 1º Festival do Imigrante, realizado sexta (4) e no final de semana, reforçou a marca da região como o principal ponto da Cidade para eventos ao ar livre, familiares e plurais. Aliás, a diversidade cultural foi a grande marca da festa que homenageou os povos que colaboraram no desenvolvimento do Brasil. O público de 15 mil pessoas curtiu os três dias de programação, com muita música, dança típicas, teatro, gastronomia, artesanato, oficinas culturais, mostra de cinema e espaço kids dentro do Museu Pelé e no entorno do Largo Marquês de Monte Alegre, no Valongo.

Neste domingo (6), último dia do festival, a coreografia empolgante do autêntico sapateado bávaro, apresentado pelo Grupo Folclórico Tirol, abriu a programação de danças típicas. A exibição envolveu também o histórico das danças e dos trajes típicos, contando ainda com a participação do público. O grupo, que existe há 33 anos, apresentou ‘Pantomima dos Lenhadores’, ‘Dança do Rio Reno’, ‘Pantomima do Ferreiro’ e coreografia simbolizando os moinhos de grãos.

Na sequência, o Grupo Apolo de Danças Gregas, que demonstrou sua alegria em participar do festival por meio do depoimento emocionado de Augusto Cesar Vassilopoulos. Depois foi a vez do Grupo Folclórico Caminos de España, do Centro Espanhol de Santos, subir ao palco, seguido da Escola Livre de Dança de Santos, que representou o Reino Unido com o premiado sapateado irlandês ‘Guardiões’.

As apresentações folclóricas foram encerradas com Portugal, representado pelos grupos Veteranos Apaixonados pelo Folclore e Típico Madeirense, e show com Ana Carla, Wallace Oliveira (guitarra portuguesa) e Sérgio Borges (viola de fado). A última atividade do dia foi a encenação do espetáculo A Branca de Neve, a cargo do Grupo Hora de Brincar, já que em razão do mau tempo o show da Banda King of the Queen teve que ser cancelado.

BONDE E OFICINAS

As duas edições do Bonde Brincar saíram lotadas. Os veículos com contação da história ‘Santos, um porto de contos’, a cargo de Camila Genaro, contou ainda com brincadeiras que se estenderam ao Espaço Kids, em frente ao Museu Pelé. Gabriel Paiva, de 6 anos, entrou no clima japonês e fez a saudação típica, inclinando o corpo para a frente, para cumprimentar as professoras da oficina de origami, realizada no museu.

“Sou faixa branca no judô e a gente se cumprimenta assim”, foi logo explicando, ao lado da irmã Sarah, de oito anos, que também tem a mesma graduação no esporte. Sob os olhares da avó Regina, os dois seguiram direitinho o passo a passo e as orientações das professoras e saíram orgulhosos com a dobradura do tsuru. Marina Yoshida relembrou a técnica e disse que há cerca de 20 anos não fazia a dobradura. Ainda no Museu Pelé foram realizadas oficinas de shodô, mangá, danças circulares e flamenco.

Neste domingo, na mostra de filmes clássicos, que ocupou o auditório do museu, foram apresentados ‘Fale com ela’, drama de suspense dirigido pelo espanhol Pedro Almodóvar; ‘Capitães de Abril’, ficção histórica baseada no golpe militar que terminou com a ditadura salazarista em Portugal; e ‘A Viagem de Chihiro’, produção japonesa e considerado um dos melhores filmes de animação de todos os tempos.

Satisfeito com a participação do público e com repercussão da 1ª edição do Festival do Imigrante, o secretário municipal de Turismo, Odair Gonzalez, disse que o evento veio para ficar. “Nosso desejo é que o festival possa ocupar mais espaços e ter atrações de ainda mais países no ano que vem”.

 

Foto: Rogério Bomfim