Pequim fecha fábricas para reduzir poluição durante cúpula da Apec

Agência Lusa04.11.2014 - 09h21

 

 

 

Mais de 2.300 empresas localizadas nas imediações de Pequim vão fechar, a partir desta quarta-feira (5), para tentar eliminar a poluição crônica da cidade durante a reunião de cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), informou hoje (4) a imprensa local.

 

 

A restrição, que estará em vigor até 12 de novembro, abrange também 2.445 estaleiros da província Hebei, onde se concentram algumas das indústrias mais poluentes do Norte da China. "O céu azul está pronto para saudar a Apec", diz a manchete de um jornal.

 

Leia também: Pequim restringe trânsito de automóvel para diminuir poluição durante cúpula

 

A cúpula reunirá em Pequim os líderes de 21 países e regiões do Anel do Pacífico, entre eles os presidentes dos Estados Unidos e da Rússia, e os primeiros-ministros do Japão, da Austrália e do Canada.

 

Além do encontro político de alto nível, marcado para os dias 10 e 11, o programa inclui uma cúpula empresarial e reuniões de altos funcionários e de ministros dos países-membros da Apec.

 

Os trabalhos começam amanhã (5), com o tema Moldar o Futuro por meio da Parceria Ásia-Pacífico.

 

Cerca de 2 milhões de veículos - 35% do parque de automóveis de Pequim - foram, entretanto, retirados de circulação, outra medida destinada a assegurar a qualidade do ar e a aliviar o trânsito da cidade.

 

Desde ontem, os automóveis particulares circulam alternadamente, de acordo com o último número da placa - hoje pararam os ímpares, na quarta-feira será a vez dos pares.

 

Escolas e repartições públicas vão também fechar, de 7 a 12 de novembro.

 

Fórum de diálogo e cooperação fundado em 1989, a Apec representa cerca da metade do Produto Bruto Mundial e 40% da população do planeta.

 

No total, os 21 membros da Apec asseguram 46% do comércio mundial. São membros da entidade a Austrália, o Brunei, Canada, Chile, a China, Coreia do Sul, os Estados Unidos, as Filipinas, Hong Kong, a Indonésia, o Japão, a Malásia, o México, a Nova Zelândia, Papua-Nova Guiné, o Peru, a Rússia, Cingapura, a Tailândia, Taiwan e o Vietnã.