Chacina em Duque de Caxias teria sido praticada por um grupo de traficantes

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Douglas Corrêa - Agência Brasil14.10.2014 - 10h37 | Atualizado em 14.10.2014 - 10h46

 

 

A chacina em que cinco jovens morreram em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense,  teria sido praticada por um grupo de traficantes que tenta implantar pontos de venda de drogas no Parque Paulista.  De acordo com a polícia, seis jovens conversavam na entrada da comunidade, quando foram abordados por vários homens armados e encapuzados, que desceram de um carro e mandaram que eles encostassem no muro. Os traficantes atiraram sem que os rapazes esboçassem qualquer reação.  Do grupo, dois tinham 18 anos e os demais, entre 12 e 15 anos. Apenas, um garoto de 12 anos sobreviveu aos tiros. Ele  está internado no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, e não corre risco de morte.

 

Leia mais notícias:

 

Chacina deixa cinco mortos na Baixada Fluminense

 

Os moradores do Parque Paulista, em Duque de Caxias, interditaram, ontem à noite (13), por mais de uma hora, o tráfego de veículos nos dois sentidos da rodovia  Rio-Teresópolis, após tomarem conhecimento da morte de cinco jovens da comunidade, por um grupo de homens encapuzados e armados de fuzis. Revoltados, os moradores atearam fogo em paus, pedras e pneus para impedir a passagem dos veículos. Na manifestação, um ônibus e um carro de passeio foram depredados. De acordo com a concessionária que administra a rodovia, o protesto reuniu mais de 100 moradores e teve início às 23h45.

 

A Polícia Civil informou que as investigações estão a cargo da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), que instaurou inquérito policial para identificar a autoria da morte das cinco pessoas. A perícia foi feita no local. Os corpos foram encaminhados para identificação no Instituto Médico Legal de Duque de Caxias. Uma vítima sobrevivente, familiares das vítimas e testemunhas foram ouvidas pela polícia. Todas as hipóteses sobre a motivação dos crimes estão sendo investigadas. A polícia procura imagens de câmeras de segurança instaladas na região para análise.